Como Acabar com Mau Hálito: Causas e Tratamento

Especialistas em halitose para o tratamento

Antes de tudo, para o tratamento da halitose, é indispensável a identificação das causas do mal hálito e estabelecer o melhor especialista em halitose para tratar do seu caso. Muitas vezes, isso envolve, inclusive, consultas avaliativas com variados profissionais, até que os reais motivos do mau hálito, no paciente espcífico, seja descoberto. No vídeo a seguir, é possível saber um pouco mais sobre o que causa mau hálito e qual o tratamento para halitose mais se encaixaria como ponto de partida na sua busca por um diagnóstico correto.

O que é halitose?

Mau hálito não é uma doença. É uma desordem funcional que pode ocorrer em qualquer período da vida, sendo mais comum no homem do que na mulher. Quando muito acentuado, interfere nos relacionamentos e impede o prazer de contatos sociais.

Causas do mau hálito

A halitose pode ter origem no estômago, esôfago, nos intestinos, pulmões, nas vias aéreas superiores ou em bactérias bucais. Atualmente, já se sabe que 90% do mau hálito se origina na boca.

Alguns conceitos como o que é halitose, causas do mau hálito específicas e tratamento da halitose estão listados abaixo. Continue lendo para saber maiores detalhes a respeito.

Boca seca, ou xerostomia

O que é xerostomia?

Xerostomia se refere à redução do fluxo salivar, sendo, caracterizando, dessa forma, os sintomas de boca seca.

Boca seca: causas

As causas de boca seca podem ser várias, tais como:

  • tensão emocional
  • insônia não tratada
  • uso de medicamentos
  • falar muito
  • doenças como viroses agudas
  • infecções
  • neoplasias
  • radioterapias
  • quimioterapias

A importância de ter a boca salivando regulamente se deve ao fato de ela promover a autolimpeza da cavidade oral. O epitélio da boca sofre descamação e decomposição, assim como os restos alimentares retidos. A saliva apresenta um Ph da aproximadamente 6,5 (levemente ácido), que impede o crescimento e a proliferação de bactérias. Por isso, de manhã, acordamos com mau hálito. Durante o sono há grande redução de fluxo salivar, chegando praticamente a zero, e surgem os depósitos saburróides (aspecto esbranquiçado no dorso da língua). Nesse caso, aconselha-se, após a escovação dos dentes, realizar a escovação da língua com uma segunda escova, macia, com um pouquinho de dentifrício.

Quando ocorre diminuição significativa da saliva por causas naturais, deve-se descobrir o motivo, com a ajuda do dentista e do médico. Existem medicamentos que solucionam o problema. Em casos menos severos, produtos naturais como a ameixa umebochi. Tambem podem ser usadas as gomas de mascar sem açúcar que estimulam a saliva. Todavia, os chamados mascadores do hálito, tipo canela e cravo-da-índia, que contenham pigmentos, devem ser abandonados porque mancham os dentes, não sendo, por isso, recomendados no tratamento da xerostomia.

É bom ressaltar que a chamada boca seca também pode ser confundida com saliva grossa, pois ela tende a ficar mais espessa quando em menor quantidade no aparelho bucal.

Má higiene bucal

Má escovação, cáries dentais, restos alimentares retidos, hemorragias gengivais, doenças periodontais, ou seja gengivas inflamadas e infeccionadas, cicatrização de feridas cirúrgicas, peças protéticas mal-adaptadas, dentaduras porosas, ulcerações (como alguns tipos de câncer) e cistos que drenam na cavidade oral são fatores usualmente provocados pela má higienização bucal. Dessa forma, se você está em dúvida sobre como tratar a xerostomia, saiba que a escovação regular dos dentes já é um bom começo para evitar o mau hálito.

Doenças como causas da halitose

Além das causas da halitose mais usuais, a origem do problema de mau hálito pode estar relacionada a sinusites, faringites, amigdalites, adenóides, disfunções pulmonares e estomacais. Também pode vir de substâncias que produzem mau cheiro, como alimentos de odor desagradável (alho e cebola). Pode ser resultado de excesso de proteínas, muita carne e pouco carboidrato (o vegetariano tem menor tendência à halitose), excesso de gorduras, condimentos, bebidas alcoólicas, tabagismo, baixa glicemia provocada por regime de emagrecimento, jejum, maior intervalo entre as refeições, exercícios físicos violentos, tensão emocional.

Além das doenças e mals hábitos alimentares citados acima, também é muito comum como causas da halitose, alguns dos fatores a seguir:

  • diabetes (hálito cetônico)
  • tuberculose
  • prisão de ventre
  • alterações hepáticas (fígado)
  • estados febris
  • broncopneumonia e outros

Halitose: tratamento

O tratamento da halitose é conseguido mediante reconhecimento da causa, e afastamento da mesma. Não há um tratamento para xerostomia único, capaz de resolver todos os casos, uma vez que o problema pode ser proveniente de vários fatores. Cabe ao dentista tratar e prevenir a halitose quando for por motivos originados da boca, e encaminhar ao otorrinolaringoista ou ao clinico geral quando for provocada por alterações no ouvido, nariz, garganta ou outros.

Fonte: Drª Dalva Maria Rocha – Revista Vida e Saúde dez/99

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *